Sunday, May 14, 2006

SUBO

Degrau a degrau subo impetuosamente.
As pernas não acompanham o pensamento veloz.
Levo mistérios nas mãos e fantasias nos olhos.
Levo o desejo preso no teu corpo e subo...
Degrau a degrau subo impetuosamente.
Não renego a emoção da tua vida em mim.
O teu corpo traduz a vontade dos meus olhos.
E cruzamos caminhos na estrada das mãos.
Degrau a degrau subo impetuosamente.

2 Comments:

Anonymous Jorge Vicente said...

Que belo poema, quase um mantra de amor! Parabéns por esta beleza!!

Abraços poéticos
Jorge Vicente

4:29 AM  
Blogger Caracteres said...

O teu espaço encontrei-o ao acaso e confesso que gostei imenso. Poema excelente. Parabéns

8:16 AM  

Post a Comment

<< Home